/Ucrânia contra-ataca em Severodonetsk, mas Rússia ainda detém “maior parte” da cidade

Ucrânia contra-ataca em Severodonetsk, mas Rússia ainda detém “maior parte” da cidade

O Exército da Ucrânia realizou uma série de contra-ataques na cidade oriental de Severodonetsk, mas as forças russas ainda controlam “a maior parte” da cidade, disse um oficial militar ucraniano regional.

Severodonetsk é um dos últimos redutos remanescentes mantidos pela Ucrânia na região leste de Luhansk.

O chefe da Administração Militar de Luhansk, Serhiy Hayday, disse que as forças do Kremlin não fizeram nenhum progresso na noite de quarta-feira em sua tentativa de capturar Severodonetsk, apesar das alegações russas de que haviam tomado toda a cidade.

Hayday disse anteriormente que 10.000 soldados controlados pela Rússia estão lutando para tomar a cidade.

As contra-ofensivas das tropas conseguiram afastar as forças inimigas de algumas ruas e permitiram que capturassem alguns prisioneiros de guerra ucranianos, segundo Hayday.

“Eles não controlam toda a cidade, a luta continua”, disse Hayday. Na quarta-feira (1), Hayday informou que os russos controlam 80% da cidade.

Por que Severodonetsk é importante
Luhansk e a vizinha Donetsk juntas formam a região de Donbas, na Ucrânia, um centro industrial pontilhado de fábricas e campos de carvão que abriga combates esporádicos desde 2014, quando separatistas apoiados pela Rússia tomaram o controle de dois territórios – o auto – declarou a República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk.

Severodonetsk e a cidade irmã Lysychansk são duas das últimas cidades em Luhansk que abrigam tropas ucranianas. As forças russas passaram dias tentando cercar Severodonetsk, avançando em várias direções e empurrando as forças ucranianas para fora da cidade.

Capturar a região daria ao presidente russo Vladimir Putin uma vitória simbólica. O objetivo principal da chamada “operação militar especial” da Rússia – o eufemismo oficial do Kremlin para a invasão da Ucrânia – era assumir o controle da região de Donbas.

Fonte: CNN Brasil